História da astrologia - parte #5

 
 
Havia também uma classe média crescente emergindo nessa época, especialmente nas cidades, que viria a dominar seu sertão e emergir como centros de grande riqueza. Os membros dessa classe média tornaram-se muito ricos e poderosos (Bonatti se refere a eles como magnatas, ou seja, grandes homens) e também recorreram aos serviços de astrólogos.

A Reforma Protestante (século dezesseis) quebrou o poder da Igreja Católica Romana no norte da Europa e na Inglaterra. Isso criou um clima político nas áreas protestantes favorável à busca da ciência secular. A posterior Revolução Francesa (1789-1804) e a era napoleônica que se seguiu, continuaram esta severa redução do poder do papado nos países católicos, pois despojou as igrejas de ativos, reduziu severamente o patrimônio sacerdotal e quase erradicou o nobreza. A clientela tradicional do astrólogo, a aristocracia e a hierarquia da Igreja foram desestabilizadas e, assim, o papel e a influência do astrólogo foram alterados. Aqueles que continuaram a praticar tiveram que se adaptar aos novos tempos impulsionados pelo crescimento do moderno Estado Industrial.
 
A partir de 1804, a mudança de poder moveu-se mais a favor da burguesia endinheirada, à medida que se tornou o foco de uma nova economia e de uma nova política. Ao mesmo tempo, o aumento da alfabetização entre os trabalhadores cada vez mais urbanos levou ao surgimento de uma pop-astrologia, que refletia os interesses de uma nova estrutura social. O astrólogo medieval se foi como conselheiro militar, teólogo, filósofo e cientista. Cada vez mais os astrólogos eram chamados para tratar dos interesses da classe média e da classe trabalhadora.
 
A educação nesses novos tempos era humanística, racionalista e dominada pela necessidade de engenheiros, operários, comerciantes, operários, gerentes e banqueiros. Os estudos clássicos (incluindo o estudo do latim, grego, hebraico e das Antiguidades) e as artes liberais foram reduzidos ao interesse do homem rico. Um diploma em filosofia não era um caminho para a riqueza nesta nova sociedade. Tudo o que se podia esperar era ensinar filosofia, entrar em teologia e pregar ou possivelmente entrar em publicações. A ênfase estava na indústria e na economia monetária.
 
O impulso da educação do século XIX avançou ainda mais o que já havia começado gerações antes. Havia um afastamento contínuo dos tipos de estudos que teriam facilitado o acesso aos textos primários da astrologia grega e da astrologia medieval árabe-latina. Um resultado direto disso foi que, quando houve um renascimento da astrologia em meados do século XIX, havia poucos astrólogos com as habilidades linguísticas e matemáticas necessárias para ler os textos importantes.
 
Por volta de 1825, um renascimento do interesse pela astrologia e outras artes ocultas começou a florescer na França e na Alemanha, estimulado por dúvidas crescentes sobre a "capacidade da razão" de resolver todos os problemas do homem e todos os mistérios da natureza. A Crítica da Razão Pura de Kant (1781) questionou se a razão por si mesma poderia apreender o Absoluto (a palavra de código idealista para Deus). A Intelligentsia europeia se dividiu em dois campos após a publicação dessa ideia. Podemos chamar esses dois campos de RationalMaterialists e Transcendentalists (não confundir com o movimento espiritual americano de mesmo nome). Este último é exemplificado pelos Poetas Suábios da Alemanha (especialmente Uhland, Richter e Kerner). Engels e Marx tipificam o primeiro, juntamente com alguns apologistas capitalistas.

Comments

Moderação ativada